Cultura opõe-se a natura ou natureza, isto é, abrange todos aqueles objetos ou operações que a natureza não produz e que lhe são acrescentados pelo espírito (...). A religião, a arte, o desporto, o luxo, a ciência e a tecnologia são produtos da cultura.
António José Saraiva

em "Cultura", colecção “O QUE É”, Difusão Cultural, 1993.
_____________________________________________

quinta-feira, 18 de Outubro de 2007

Camões II - Sir Richard Francis Burton

Sir Richard Francis Burton foi um inglês do século XIX (1821-1890), ainda pouco conhecido entre nós, portugueses. É muito dificil descrever este homem, porque teve uma vida quase inimaginável. Burton foi um prolífico escritor (publicou várias dezenas de títulos), foi tradutor e o primeiro a traduzir obras como As Mil e Uma Noites e o Kama Sutra para uma língua ocidental. Burton era um linguista e dominava 29 idiomas. Foi orientalista e etnologista, co-fundador com James Hunt da Sociedade de Antropologia de Londres. Era um intelectual de formação. Foi militar e espião, que disfarçado de muçulmano visitou Meca e Medina (local proibido para os não muçulmanos) e fez por completo todos os rituais da Hajj (por influência dessa viagem, há quem esteja convencido que no fim da sua vida Burton se considerava maometano). Foi um grande viajante, tendo escrito importantes livros com observações dessas viagens: a Salt Lake City, a cidade dos Mormons; ao Daomé, ao Paraguai, etc. Foi um famoso explorador tendo descoberto o lago Tanganica, sendo o seu ajudante Speke mais conhecido, por ter descoberto o lago Vitória, nascente do Nilo (quando Burton adoeceu durante uma expedição). Foi ainda diplomata em sítios tão distantes como Damasco, Fernando Pó, Triestre ou em Santos, no Brasil. A lenda diz ter sido um feroz duelista. Foi hipnotizador, foi poeta, etc. É impossível num pequeno artigo descrever todas as suas ocupações.

Existem várias biografias sobre Sir Richard Francis Burton. Custa a acreditar como se pode fazer tanta coisa numa vida só. Burton apesar de ter sido um aventureiro, um dos maiores de sempre, tinha um grande herói: Luis de Camões, a quem dedicou muito da sua atenção. Traduziu para inglês Os Lusíadas e a Lírica de Camões e escreveu uma biografia do nosso poeta maior. Chamava-lhe "o meu mestre".

Sir Richard Francis Burton considerou Camões como um modelo a seguir, pelas suas viagens, amor ao seu país, erudição, rebeldia e até pelas aventuras românticas.
Fora de Portugal, terá sido, talvez, o maior admirador de sempre de Luis de Camões.
.
Para quem estiver interessado numa informação mais completa sobre Burton, ver por exemplo em http://www.britannica.com/eb/article-975/Sir-Richard-Burton ou claro, na Wikipedia em http://en.wikipedia.org/wiki/Richard_Francis_Burton. Pode-se efectuar um download gratuito de uma das mais importantes biografias de Burton em http://www.gutenberg.org/etext/4315

6 comentários:

  1. Muito obrigada pelo comentário deixado no nosso blog. Como o teu é mais "substancial", terei que vir aqui com mais tempo. Até breve.

    ResponderEliminar
  2. Sir Richard Francis Burton foi noutras suas encarnações Homero, Camões, Bandarra e Fernando Pessoa.

    Liz

    ResponderEliminar
  3. Liz, é muito bem-vinda ao meu blogue, por isso perdoe-me o meu cepticismo. Não sei quais as suas fontes, mas acho difícil acreditar naquilo que escreveu: quando Fernando Pessoa nasceu, em 13 de Junho de 1888, Burton ainda estava vivo - só viria a falecer a 20 de Outubro de 1890.
    Ricardo

    ResponderEliminar
  4. Tens razão...nem verifiquei as datas...tal a minha certeza :))))))))))
    e obrigada por me teres alertado.
    A Fonte é o meu Eu Superior Kuan Yin...e há uma razão para esse engano que só o é parcialmente...é que se trata de uma das vidas paralelas do Fernando Pessoa (Homero, Bandarra, Camões).
    Nós temos acesso às vivências passadas e aos talentos das nossas vidas paralelas que são, connosco, 32 no seu todo.

    Liz

    ResponderEliminar
  5. Liz
    Verifica também as datas de Camões (1524/5 a 1580) e do sapateiro de Trancoso - Bandarra (1500 a 1556). São também sobreponíveis.
    Ricardo

    ResponderEliminar
  6. Outro engano...:))))))))
    Mas é também uma vida paralela do Camões...obrigada já corrigi... e ainda deve haver mais alguns enganos no Livro de Portugal...mas com o tempo e as ajudas...:)))) a coisa vai ao sítio....:))))))))))))

    Liz

    ResponderEliminar