Cultura opõe-se a natura ou natureza, isto é, abrange todos aqueles objetos ou operações que a natureza não produz e que lhe são acrescentados pelo espírito (...). A religião, a arte, o desporto, o luxo, a ciência e a tecnologia são produtos da cultura.
António José Saraiva

em "Cultura", colecção “O QUE É”, Difusão Cultural, 1993.
_____________________________________________

quinta-feira, 28 de Fevereiro de 2008

As receitas de 1950 da Fábrica Portugal de fogões

Tirei duas receitas dum pequeno livro de receitas de 1950, um brinde distribuido pela fábrica de fogões Portugal. Nesta época ainda se fabricavam fogões para carvão e lenha como se pode verificar pelo anúncio da figura ao lado.
Em todas as páginas de receitas do livro, encontramos uma frase sobre os fogões Portugal: "Cozinhar num fogão a gás da FÁBRICA PORTUGAL é ter a certeza de um bom êxito!"; "O fogão a gás da FÁBRICA PORTUGAL coze, assa, grelha...e não suja"; "O fogão a gás da FÁBRICA PORTUGAL é, de todos, o mais económico"; "Onde um fogão a gás da FÁBRICA PORTUGAL intervém, o conforto passa a existir a qualquer hora"; "O fogão esmaltado para carvão e lenha da FÁBRICA PORTUGAL satisfaz cabalmente as exigências da melhor cozinheira"; "São de extremo asseio e economia os fogões para carvão e lenha que a FÁBRICA PORTUGAL fabrica"; "De fácil limpeza, óptimo funcionamento e máxima economia, são as características dos fogões pretos com guarnições esmaltadas da FÁBRICA PORTUGAL"; "É nota de bom gosto a aquisição de um fogão da FÁBRICA PORTUGAL"; "É melhor experimentar que julgar. Compre um fogão da FÁBRICA PORTUGAL" e no último anúncio "A Fábrica Portugal garante a boa qualidade e eficiência dos seus fogões - Exigir em toda a parte fogões da Fábrica Portugal".
Aqui vão as duas receitas: o pato com arroz à portuguesa, uma delícia mas que dá algum trabalho e uma receita de um doce simples de fazer e muito saboroso.
.
PATO COM ARROZ À PORTUGUESA

Para 4 a 6 pessoas:


1 pato bem gordo, 1 litro de água, 5 gramas de sal, 1 cebola mediana, 6 bagos de pimenta, 100 gramas de toucinho, 150 gramas de presunto crú, 250 gramas de chouriço, 1 cenoura mediana, 50 gramas de manteiga, 250 gramas de arroz carolino.

Com os miúdos do pato faz-se um caldo com um litro de água fria, 5 gramas de sal, 1 cebola mediana cortada miúdo, meia dúzia de bagos de pimenta, uma tira de toucinho, 150 gramas de presunto e uma cenoura picada.
Em estando tudo bem cozido, deita-se no caldo o pato bem limpo, com as pernas e asas travadas, em caçarola onde caiba mal. Estando o pato quase cozido, tira-se, corta-se aos bocados e põe-se em travessa ou tabuleiro em que tenha de ser servido e que possa ir ao lume (porcelana ou vidro Pyrex) deixando-o no forno com lume muito brando enquanto com o caldo da cozedura, aproveitando a gordura toda que tiver, se faz um arroz nas devidas proporções para ficar bem solto (arroz de manteiga). Estando o arroz pronto, rodeia-se com ele o pato na travessa, alisa-se bem a superfície, pondo por cima o presunto e o toucinho cortado às tiras, o fígado, a moela e o chouriço também cortados que se cozeram previamente numa caçarola à parte. Deita-se manteiga por cima do arroz e leva-se ao forno a corar o pato e o arroz. Serve-se bem quente.
Também se usa fazer a operação final em pequenas tigelas de barro para serviço individual. Para isso põem-se bocados de pato nas tigelas, cobrem-se com o arroz cozido indo ao forno a corar, servindo-se nas tigelas.


DELÍCIAS DE ABADE

Batem-se oito claras até ficarem em castelo duro. A seguir deitam-se numa vasilha maior com um quilo de açucar em pó e o sumo de três limões grandes ou de quatro laranjas. Bate-se durante meia hora e, depois, com uma colher, das de sopa, dispõem-se pequenas quantidades desta massa sobre folhas de hóstia, tudo em tabuleiro a cozer em forno de calor brando.
.

2 comentários:

  1. Olá, adorava que envia-se mais receitas desses livros. Pois tive 2 e infelizmente perdi-os
    caso possa agradeço que envie para segredo29@live.com.pt
    obrigada

    ResponderEliminar
  2. No meio dos meus milhares de livros, não sei onde param esses pequenos livros. Quando os encontrar lembrar-me-ei de lhe responder.

    ResponderEliminar