quinta-feira, 5 de abril de 2007

A Força da Música Portuguesa

A lei da rádio em Portugal afirma, quanto à difusão da música portuguesa que:
“A programação musical dos serviços de programas de radiodifusão sonora é obrigatoriamente preenchida, em quota mínima variável entre 25% e 40%, com música portuguesa”.
Tudo indica que cabe à Entidade Reguladora para a Comunicação Social fiscalizar o cumprimento da lei. Os não cumpridores arriscam multas entre os três mil e os 50 mil euros. Só que como muitas outras leis, parece que ninguém realmente fiscaliza nada e as leis acabam por ficar esquecidas numa qualquer gaveta, por isso continuamos a não ouvir nas nossas rádios os artistas preferidos pelo público.

Felizmente, contra todas as lógicas, a música portuguesa vai bem. No top nacional desta semana, mais uma vez os primeiros cinco lugares eram todos ocupados por portugueses ( incluindo a nossa fantástica Nelinha Furtado ).

Nelly Furtado, não é uma artista qualquer: é provável que seja já hoje o artista a falar a língua de Camões com maior número de discos vendidos, e ainda está no início de carreira com apenas 3 albums publicados. É um incrível fenómeno de popularidade no lado de lá do Atlântico e em todo o mundo. Uma menina de ouro que começou a tocar em pequena em bandas locais de música portuguesa. Nelly Furtado continua hoje a apoiar a música portuguesa: vai agora dar a cara pelo projecto LusaVox, um concurso «on-line» de música. Trata-se de uma iniciativa da Secretaria de Estado das Comunidades Portuguesas, do portal Sapo, da editora Valentim de Carvalho e da RTP.

Os Blasted Mechanism são um dos grupos portugueses mais originais. O album possibilita um download de um segundo CD através da Internet. Após o seu lançamento, Sound in Light entrou logo nos primeiros lugares no top.

Andre Sardet tem 7 discos de platina para o seu album “Acústico” e Tony Carreira 5 discos de platina para “A Vida Que Eu Escolhi”. São 2 imensos fenómenos de popularidade em Portugal. Artistas com este nível de sucesso merecem passar nas rádios e televisões “no prime time”. José Afonso é um histórico. Génio da música portuguesa, não há qualificativos suficientes para elogiar a sua arte.

Lá fora, no circuito da World Music, artistas como Mariza e mais recentemente Sara Tavares são enormemente apreciadas.

Imaginem o que seria se a lei fosse cumprida. Valores não nos faltam e nós estamos a apoiá-los comprando os seus discos e DVDs, agora gostariamos que as rádios e as televisões os apoiassem também...

Ao gabinete da nossa Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima, em gmc@mc.gov.pt (também serve infocultura@min-cultura.pt) enviei o seguinte texto:



Cara Senhora Ministra da Cultura, Isabel Pires de Lima,

Eu, como muitos dos nossos concidadãos gostaríamos de ouvir mais música portuguesa na nossa rádio, por isso pedimos-lhe para que os necessários esforços sejam desenvolvidos no sentido de ser respeitada a quota da música portuguesa de acordo com a actual lei da rádio.

Acreditamos que o cumprimento dessa quota, constituirá um importante estímulo e apoio para a música portuguesa e para os nossos artistas. Uma mais valia para a nossa cultura.

Com os meus melhores e respeitosos cumprimentos, um cidadão identificado,

(Nome e número do BI)


Penso que não nos custará muito fazermos todos o mesmo, independentemente dos gostos musicais de cada um, enviando este mail para o MC, na esperança de uma alteração do presente estado de coisas e apoiando também assim a nossa (grande) música.

Sem comentários:

Enviar um comentário