terça-feira, 15 de maio de 2007

Os Contos de Fajão

Os contos populares de Fajão são dos contos tradicionais mais engraçados que temos em Portugal. Fajão fica no concelho de Pampilhosa da Serra, distrito de Coimbra. Geralmente há um conjunto de personagens da terra que são os protagonistas dos contos, mas o principal protagonista é quase sempre o Juiz.
Não sei se ainda existe disponível o livro original com estes contos brejeiros, recolhidos por Monsenhor Nunes Pereira e editado em 1989 pelo Museu e Laboratório Antropológico da Universidade de Coimbra, mas pelo menos alguns textos encontram-se disponíveis com as ilustrações originais em
http://pontefajao.no.sapo.pt/contos/contos.htm.

Com a devida vénia transcrevemos o pequeno conto “A VISITA DO BISPO”
.

A certa altura Fajão foi promovido com um novo cura, e logo nesse ano o Senhor Bispo anunciou a sua visita pastoral.
Foi numa tarde amena que o dito cura se encontrou com o Juiz em passeio, e logo o cura disse para o Juiz: Olhe, qualquer dia vem aí o Senhor Bispo, em visita pastoral, e o que é certo é que eu não estou ainda lá muito bem habilitado para orientar as coisas.
E logo o Juiz disse: Ó Senhor prior, não se preocupe. Se quiser, dê-me as suas ordens, que eu trato disso tudo e resolvo-lhe os problemas todos.
Está bem, eu agradeço; trate-me lá disso tudo, para a freguesia não ficar mal. Assim foi. O Juiz preparou tudo, e no dia da visita lá foram todos para a serra esperar o Senhor Bispo, e está claro que à frente ia o Juiz, para ser o primeiro a cumprimentá-lo. O Juiz aproximou-se, tirou o barrete e cumprimentou: «Então , Senhor Bispo, passou bem? Fez boa viagem? E como está a Senhora Bispa, e os bispinhos todos, estão bons?»
O Senhor Bispo não se desmanchou, e respondeu:- Bem; está tudo bem, muito obrigado.

Depois foram todos em procissão por ali abaixo. Perto da igreja, o Senhor Bispo paramentou-se e lá foram seguindo. Ao chegar o cortejo à igreja, o Senhor Bispo, que era muito alto, e ainda com a mitra em cima, estava a ver que não podia entrar. Então o Senhor Juiz chegou-se ao pé do Senhor Bispo e disse-lhe ao ouvido: «Senhor Bispo, faz favor de baixar a cornadura, se não bate lá em cima!»Bem. Pois o Senhor Bispo baixou a cabeça e entrou.
Na igreja as cerimónias decorreram como de costume. Depois foi a parte exterior, as cerimónias civis. Dirigiram-se aos Paços do Concelho. No cimo da escadaria o Senhor Bispo tropeçou e rolou pelas escadas abaixo. Ora o Juiz tinha dito ao povo para fazerem o que o Senhor Bispo fizesse; então, julgando que aquilo também fazia parte das cerimónias, puseram-se todos a rebolar pelas escadas abaixo.
Depois daquele percalço entraram todos nos Paços do Concelho, para uma recepção e almoço. Tudo normal, como é uso nestas visitas. Mas a certa altura o Juiz, que não tinha esquecido nada para preparar uma recepção condigna, e por isso tinha preparado uma ca(ga)deirazita; como o Senhor Bispo não tinha pedido nada, lembrou-se de que ele devia precisar. Sim, porque todos nós sabemos o que são necessidades. Então chegou-se ao pé do Senhor Bispo e disse-lhe ao ouvido: Olhe lá, Senhor Bispo, talvez precise de cag...
- Não será pior, não! – respondeu ele. (Contam outros pormenores que para o caso não adiantam).
O que é certo é que o Senhor Bispo veio muito bem impressionado com a visita pastoral a Fajão.

Fajão é também uma terra encantadora, merecedora de uma visita e estadia. Ver por exemplo
http://www.geocities.com/pontefajao/frank.html

.

Sem comentários:

Enviar um comentário