sábado, 8 de dezembro de 2007

TV por Cabo e Telemóveis. Oportunidades para novos negócios?


.
.
.
.
.
.
.
.
.
.
Por vezes complicamos aquilo que é simples. É o caso de alguns objectos de uso diário que estão a tornar-se pouco prácticos devido a inovações técnicas mal concebidas. Vou dar dois exemplos:

- A TV por Cabo [que tem o excelente serviço Netcabo], tem actualmente um cartão digital ligado a um tipo de máquina “Powerbox” para vermos os canais. O sistema implica o uso simultâneo de 2 comandos: um para a televisão, que liga e desliga a televisão e aumenta ou baixa o som [o que temos de estar sempre a fazer com a televisão portuguesa, que passa sempre a publicidade com som mais alto], e o comando da Powerbox para mudar de canais. Ora o comando da Powerbox funciona mal - não apenas o meu, mas o de toda a gente que eu conheço que o tem, porque nem sempre responde à primeira e além disso o sistema é lento a responder [e ao nível dos menus por vezes não responde mesmo de todo]. Para gravar qualquer coisa da tv então a confusão é total, porque acresce um terceiro comando para o gravador. Uma nova operadora, de cabo ou via rede de cobre ou rede eléctrica, com uma solução de uso mais simples teria a minha imediata preferência, se pudesse mudar de canais e efectuar gravações de forma mais fácil ou por exemplo evitar anúncios da publicidade, como já se consegue com os aparelhos TiVo (ver figura acima).

- Os telemóveis estão a tornar mais difíceis as chamadas telefónicas, com as suas milhentas opções de Menu para Mail, SMS, Bluetooth, Wi-Fi, Imagem, Vídeo, MP3, etc, etc, etc. Receber ou efectuar chamadas é por vezes um inferno. Então se mudarmos entre diferentes telemóveis com diferentes sistemas a confusão é total. Além disso, os números de marcação são de leitura difícil e em alguns casos quase que não se vêem, mesmo para quem não tenha problemas de visão. A Samsung lançou creio que este ano nos EUA, um telemóvel de números “grandes” para se efectuarem com facilidade...chamadas telefónicas. É o “Jitterbug” (ver figura), e está posicionado para os chamados “seniores” [as pessoas mais velhas que já vêem mal e não têm paciência para aprender sistemas operativos complicados]. É uma tecnologia acessível. Nós aqui em Portugal temos empresas que podiam fabricar coisas destas. Para velhos, para crianças e para preguiçosos comodistas como eu.

Sem comentários:

Enviar um comentário